Como equilibrar o fluxo de caixa no pós-pandemia

Tempo de leitura: 7 minutos

Sem dúvida, a pandemia do novo Coronavírus trará mudanças significativas na nossa sociedade, em especial na forma como consumimos e nos relacionamos. E isso deve afetar sobremaneira as empresas em geral. Por isso, pensar em medidas para controlar seu fluxo de caixa é imperativo – sobretudo para os negócios que desejam se diferenciar e crescer.

Durante o período de retomada, mesmo que muitas pessoas ainda estejam preferindo ficar em casa, é possível analisar melhor como será o perfil do consumidor nos próximos meses – e pensar em medidas que ajudem a adequar o seu negócio a essas novas exigências.

Precisa de mais dicas? Siga a leitura!

A importância do fluxo de caixa

Se antes da pandemia, nem todos os gestores se atentavam para a importância do fluxo de caixa, hoje o cenário é bem diferente. Após meses de queda ou de quase nenhuma venda, muitos empresários compreenderam o quanto é fundamental controlar todas as entradas e saídas.

Com o fluxo de caixa bem realizado, você conseguirá compreender melhor a sua realidade e criar planejamentos financeiros mais reais e adequados à situação atual. Assim, será mais fácil entender onde é possível cortar custos, qual é a real margem de lucratividade dos seus produtos e serviços, como otimizar o seu portfólio de itens e muitas outras ações.

A partir de agora, o fluxo de caixa se tornou uma ferramenta indispensável e que deve ser acompanhada de perto continuamente, de preferência diariamente ou semanalmente, dependendo do fluxo de vendas e de pagamentos que o seu negócio possui.

Dicas para equilibrar o fluxo de caixa no pós-pandemia

Abaixo separamos as principais dicas para equilibrar seu fluxo de caixa e preparar a sua empresa para o período de retomada. Confira!

1)    Analise as mudanças comportamentais do seu consumidor

O fluxo de caixa está totalmente relacionado às suas vendas. Por isso, é muito importante acompanhar as oscilações do seu mercado e o comportamento do seu consumidor.

Vários setores estão se modificando – e muitos consumidores têm migrado para novas plataformas, como e-commerces, delivery e outras facilidades. Essas tendências devem se manter no período de pós-pandemia, primeiro porque muitos ainda estão com receio de sair de casa e, segundo, porque essas inovações tecnológicas vieram para ficar.

Então, foque seus esforços em compreender seu público-alvo, a forma como eles estão preferindo comprar, as principais alterações trazidas pela pandemia e as melhores maneiras de oferecer uma boa experiência de compra aos seus consumidores.

2)    Faça uma boa análise de custos

Outro ponto crucial para equilibrar o fluxo de caixa é considerar os seus custos. Durante a quarentena, enxugar os custos foi a meta de muitos empresários para que seus negócios continuassem de portas abertas. E essa medida deverá continuar sendo implantada como um “modo de fazer” daqui para frente.

Sem dúvidas, esse foi um grande aprendizado para muitos gestores. Crie o hábito de analisar frequentemente todos os custos relacionados ao seu negócio – e pense em medidas de reduzi-los sem afetar sua qualidade.

Isso significa: negociar novos prazos com os fornecedores, pensar na troca de fornecedores, passar a operar em uma sede menor (algo possível graças ao home office de muitos funcionários), produzir sob demanda, incorporar novas tecnologias que automatizam funções e reduzem o desperdício etc.

3)    Confira a real lucratividade dos seus produtos e serviços

Aumentar as vendas é indispensável para equilibrar o fluxo de caixa. Mas só isso não basta. É preciso garantir que seus produtos e serviços tenham uma boa margem de lucratividade.

Esse é o momento de avaliar seu mix de produtos ou oferta de serviços. Será que não vale mais a pena trabalhar com um hall enxuto de opções, porém com boa saída e alta lucratividade, do que vários itens que necessitam de mais esforço de venda e trazem um retorno menor?

Agora é a hora de repensar o seu negócio – e isso também vale para o que você vende. Levante os itens que têm uma lucratividade maior e boa aceitação e cruze essas informações com o perfil de compra que você analisou na nossa primeira dica. Será que o que você vende ainda tem aceitação pelo seu público nesse momento? Como é possível transformar seu produto ou serviço, deixando-o mais atrativo para a oferta e aumentando a margem de lucro?

Todas essas são questões importantíssimas e que influenciam diretamente no seu fluxo de caixa e no equilíbrio financeiro do seu negócio.

4)    Avalie a possibilidade de manter o home office

O home office foi implantado em muitas empresas pela primeira vez durante a quarentena. Essa foi uma opção forçada em muitos casos, como a única maneira de continuar operando.

Porém, o que vários gestores notaram é que, trabalhando de casa, muitos profissionais renderam mais – e ainda houve uma queda significativa nos custos.

Se esse foi o caso do seu negócio, que tal pensar em maneiras de manter esse sistema? Isso pode ser feito apenas para determinados setores e você poderá pensar em manter alguns funcionários trabalhando de casa por um período de dias na semana, alternando com outros em que eles deverão estar na empresa – e acompanhar o nível de produtividade e de felicidade do colaborador com esse novo sistema.

Se há essa alternativa na sua empresa, ela pode ser uma boa ideia para reduzir custos, principalmente porque você poderá, por exemplo, operar de uma sede menor, reduzindo custos de aluguel e de outros itens.

5)    Faça um planejamento realista para os próximos meses

O fluxo de caixa é a ferramenta mais importante para planejar a vida financeira da empresa e projetar entradas e saídas. Com a pandemia do novo Coronavírus, é indispensável que esse planejamento seja mais realista e sensato, projetando vendas menores do que o usual.

Mesmo com todas essas medidas, lembre-se que estamos em um período de retomada. Isso significa que muitas pessoas ainda estão com receio de consumir e que outras tiveram uma perda significativa de renda e por isso podem estar cortando os supérfluos.

Assim, faça um planejamento sensato, com uma quantidade de vendas menor e projetando seus custos fixos para continuar operando nos próximos meses. Acompanhe continuamente esse planejamento e conforme a economia for retomando, faça os ajustes necessários nele.

Lembre-se da importância da reserva de contenção (que tende a ser menor nos negócios pequenos). Crie alternativas para, daqui para frente, começar a alimentar a sua reserva, preparando-se melhor para eventuais novas crises.

6)    Mapeie suas ineficiências e identifique os gargalos

Aproveite esse período para “arrumar a casa”. Identifique os gargalos e as ineficiências da sua empresa e foque em soluções para resolver essas situações.

Se for possível, crie um comitê de gestão de crise, que deverá definir um plano de emergência para situações como essa. Assim, será mais fácil tomar decisões rapidamente e em situações diferentes, não apenas de calamidade pública como a que vivenciamos.

Use os conhecimentos adquiridos nesta pandemia e se prepare corretamente para novas situações não tão positivas. Assim, quando algo fora do comum ocorrer após a recuperação da economia, você e sua empresa estarão mais bem preparados.

Gostou das nossas dicas? Já sabe como equilibrar seu fluxo de caixa e preparar seu negócio para a retomada? Continue aprendendo: baixe o nosso ebook “Como preservar caixa financeiro em tempos de crise”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *